Era logo cedo… acabara de se fazer domingo quando o sol curioso não se conteve e se pois a espiar por entre as pequenas frestas da cortina que escondia a visão do mundo lá de fora. Num gesto de quem busca imitar, ajoelhei-me sobre a cama e logo coloquei-me também a espiar. Vi o pequeno jardim da casa, onde algumas flores apressadas já prenunciavam o início da primavera. Enfeitavam com imponência e eram admiradas pelas
Uncategorized
Chuchei ca ponta das unha, pra i rasgando a paia do milho  até surgi os grãos viçoso que dava gosto vê; tava  no ponto, certinho de ser apanhado. Como não sou bobo nem nada, arredei a bicicreta pra dentro do milharal e ai, enquanto um dos zóio cuidava de espiar a estrada  o outro só ia controlando a escoia das espiga de mio e do tanto certo pra pode inche o embornal. Mais ligeiro de quem roba, sai
Uncategorized
Gumercindo, rapaz trabalhador, com seu jeitinho pra lá de afoito, apanha o embornal e já do lado de fora da porta, apressadamente enquanto caminha vai falando para a esposa: Muiê, num vai da tempo nem do cê dar perto de umas quarenta piscada e eu já tô de vorta. Embora Mirtes, não acreditava muito lá nas pressas do marido, fora logo retrucando enquanto concordava sem dar lá muito ouvido. Não demorou para que Gumercindo tomasse
Contos   , , ,

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *